Campanha para financiamento da reforma do ônibus Margaridinha

A Rádio Margarida lançou neste mês de agosto uma mobilização para arrecadar fundos para a reforma do ônibus carinhosamente chamado de “Margaridinha”. O veículo, cuja origem remonta à 2ª Guerra Mundial, pertence à ONG desde a sua fundação, em 1991. Ao longo desses 30 anos, esteve presente em inúmeras ações de defesa dos direitos humanos, e agora precisa da colaboração da população para continuar em circulação.

A campanha de financiamento coletivo está acontecendo de forma online, através da plataforma Benfeitoria. Por lá, qualquer pessoa pode fazer um cadastro e escolher o valor para doação. São 5 opções de valores para contribuir, cada um com recompensas exclusivas.

Margaridinha em ação realizada na comunidade Riacho Doce (Belém), em 2006.

 

Um meio de transporte e de mobilização social

A Rádio Margarida atua há 3 décadas na defesa dos direitos humanos, especialmente de crianças e adolescentes e dos direitos socioambientais na Amazônia. Para isso, utiliza as linguagens artísticas e os meios de comunicação, porque acredita na cultura, na arte e na educação como grandes ferramentas de transformação social. E uma forma pioneira que a ONG encontrou de levar arte e educação para sensibilizar e transformar realidades foi o radioteatro ambulante.

Margaridinha e arte-educadores em campanha de educação no trânsito realizada em 2003.

O ônibus Margaridinha, muito mais do que um meio de transporte dos arte-educadores da Rádio Margarida, é um meio de mobilização social. Foi com ele que a ONG circulou por inúmeros bairros e distritos, desde os pontos turísticos até os territórios mais periféricos da capital paraense e do Estado do Pará. O veículo já rodou por muitos municípios, indo onde há a necessidade de informação, arte, cultura, educação e alegria.

E para além de um meio de mobilização social, o Margaridinha é também um patrimônio histórico, de Belém e do Pará. Não só pela sua história antes de vir para o Brasil, que remonta à 2ª Guerra Mundial, mas também por seu legado local: uma trajetória ligada à história da defesa dos direitos de crianças e adolescentes no Pará, primeiro com a República do Pequeno Vendedor (hoje Movimento República de Emaús), e posteriormente na Rádio Margarida, propagando mensagens de defesa e promoção dos direitos humanos e do meio ambiente.

Para realizar a sua colaboração, acesse a plataforma da Benfeitoria aqui.

Margaridinha em campanha realizada em Joanes, Marajó.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *