Programação de aniversário terá apresentações artísticas em live e cortejo cultural

Nesta terça (20), a Rádio Margarida completará 30 anos de atuação na defesa dos direitos humanos na Amazônia. Para celebrar a data, a ONG realizará uma programação especial com live artística e a circulação pelas ruas de Belém de um dos seus maiores símbolos: o Margaridinha, ônibus histórico da 2ª Guerra Mundial que esteve presente na primeira aparição pública da Rádio, em julho de 1991, quando o ônibus Margaridinha circulou de Belém a Mosqueiro levando pelas ruas a concepção artística de um radioteatro ambulante.

Para Osmar Pancera, fundador da Rádio Margarida, o objetivo da programação é marcar esta data e mais uma vez relembrar o compromisso da ONG com a cidade de Belém e o Estado do Pará e sua população. “Compromisso de transformar o nosso meio para a melhoria da qualidade de vida na nossa região”, comenta.

Registro da 1ª saída em 1991. Ao fundo, ônibus Margaridinha.

De acordo com Osmar, ao criar a ONG o objetivo era irradiar (de onde vem o nome “Rádio”) arte, educação e cultura para populações da periferia que não tinham acesso a estes direitos. “Ao longo do tempo, a Rádio Margarida foi fazendo isso associando a temas educativos em diversas áreas, como saúde, saneamento, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, entre outros”, comenta.

História

No decorrer dessas 3 décadas de história, a ONG realizou dezenas de projetos e produziu centenas de conteúdos educativos, a maior parte deles disponíveis aqui no portal e no canal do YouTube. Entre 2018 e 2019, visitou mais de 100 municípios no Estado do Pará. Agora, em 2021, realizou uma campanha para o município de Tucumã-PA voltada para o enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes. E também realiza no Marajó, em parceria com o UNICEF, o projeto Awuré Ubuntu, que tem como objetivo criar subsídios para o enfrentamento da violência sexual e do trabalho infantil nas cidades de Curralinho, Melgaço e Breves.

Projeto de atenção a crianças e adolescentes realiza atividades no Marajó

Programação

Para relembrar a primeira saída em 1991, o ônibus Margaridinha circulará nesta terça (20) pelo complexo do Ver-o-Peso, com participação de arte-educadores, dançarinos e bonecão mascote, uma trupe semelhante à que estava na primeira apresentação da ONG. Parte do elenco irá dentro do ônibus, e outra parte irá acompanhando do lado de fora. O cortejo não fará apresentações fixas para não provocar aglomerações.

Ação da Rádio Margarida no Marajó, em 1994.

Além disso, será realizada também uma live com programação artística, incluindo apresentação teatral, teatro de bonecos, música e depoimentos de pessoas que fazem parte da história da Rádio Margarida. O evento será transmitido pelo canal da ONG no YouTube. “São algumas pitadas daquilo que vem compondo a nossa intervenção ao longo desses 30 anos, com alguns textos memoráveis sobre os temas trabalhados pela Rádio”, comenta Osmar Pancera.

Trupe da Rádio Margarida em ação na comunidade Riacho Doce, em Belém (2006).

 

PROGRAMAÇÃO 30 ANOS RÁDIO MARGARIDA

Dia 20 de julho – Terça-feira

 

  • 12h – Cortejo Artístico Cultural no Ver-O-Peso
  • Concentração: 11h em frente ao Sesc Boulevard
  • Após o cortejo, o Margaridinha circulará por algumas ruas de Belém

 

  • 19h – Live Comemorativa
  • Abertura: Palhaço Claustrofóbico + Boneco Padre Bruno
  • Exibição do videoclipe  “Asas da imaginação” (alusivo aos 30 anos)
  • Depoimento Osmar Pancera (fundador da Rádio Margarida) – o início da história
  • Espetáculo teatral “Domador e seus animais nada abestados” (teatro de bonecos)
  • Apresentação musical com Renato Torres (música “Sorriso”)
  • Apresentação do palhaço Claustrofóbico e do personagem Super ECA
  • Depoimentos Carmen Chaves e Eugênia Melo (cofundadoras da Rádio Margarida) – projetos e prêmios
  • Apresentação musical com Luciano Lira (música “Redução da maioridade penal”)
  • Exibição de vídeo com depoimentos sobre a Rádio Margarida
  • Espetáculo teatral “Árvore” (teatro de bonecos)
  • Apresentação do palhaço Claustrofóbico e do boneco Vovô Osvaldinho
  • Depoimento Nayara Lima – O que nos move a continuar?
  • Encerramento – Agradecimento com participação da bonecona Olímpia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *