Caderno do MEC explica caminhos para melhorar a alfabetização no Brasil

No Dia Nacional da Alfabetização, criado pelo decreto N°59.452 de 1966, trouxemos um caderno produzido pelo Ministério da Educação e lançado em agosto de 2019. A publicação apresenta a Política Nacional de Alfabetização (PNA), que busca elevar a qualidade da alfabetização e combater o analfabetismo em todo o território brasileiro.

O que dizem os dados sobre a alfabetização no Brasil

Segundo informações de 2016 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Nacionais Anísio Teixeira, 54,73 % dos mais de 2 milhões de alunos concluintes do 3º ano do Ensino Fundamental apresentaram desempenho insuficiente no exame de proficiência em leitura.  Em escrita, 33,95% estavam em níveis insuficientes. Além disso, 450 mil alunos demonstraram ser incapazes de localizar informação explícita em textos simples de até cinco linhas. Os dados mostram a urgência da sociedade brasileira de que se promova empenho e cuidado na formação básica.

Fonte: Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), que serve como indicador da qualidade do ensino de leitura. Dos estudantes brasileiros, 51% ficaram abaixo do patamar mínimo necessário para o pleno exercício da cidadania, segundo a OCDE. O Brasil fica na 59ª colocação.

O documento possui ainda outros conceitos chaves para evitar equívocos sobre a alfabetização, como literacia. Segundo o caderno, há diferença entre alfabetização e literacia: a PNA, com base na ciência cognitiva da leitura, define Alfabetização como o ensino das habilidades de leitura e de escrita em um sistema alfabético. Já a Literacia consiste no conjunto de conhecimentos e habilidades relacionados à leitura e a escrita, além da prática produtiva. São habilidades adquiridas antes da alfabetização. Confira a pirâmide abaixo explicando os níveis de literacia e o que se deve aprender:

Figura 2: Níveis de Literacia

 

Segundo o caderno, crianças, adolescentes e adultos aprendem a ler e a escrever de maneiras diferentes. Além disso, ele explica quais as maneiras de ler e como funciona o desenvolvimento da leitura e da escrita. A abordagem em sala de aula e o material utilizado precisam ser diferenciados, já que jovens e adultos possuem experiências que uma criança não possui. É preciso cuidado na escolha dos textos, que devem ser adequados ao nível de leitura, assim como aos interesses, gostos e necessidades dos alfabetizandos; do contrário, podem sentir-se desmotivados. 

Para conhecer mais conceitos e informações acerca da alfabetização, leia o documento completo aqui: Política Nacional de Alfabetização – Caderno.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *