Professores fazem a diferença na vida de crianças e jovens através da educação

Matéria: Camila Leal e Élida Miranda

Segundo dados publicados pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) em 2019, o Brasil é um dos países que mais paga mal professores de ensino fundamental e médio, ficando em 40º lugar numa lista composta por 41 países. Mas as histórias que vamos contar não cabem nesse ranking. Essas narrativas são uma prova de que com humanização, criatividade e resistência é possível fazer a diferença na vida de muitas crianças e adolescentes brasileiros, apesar da desvalorização e das diversas formas de desrespeito à profissão. Esta é a primeira de uma série de matérias sobre histórias inspiradoras de professores paraenses. Confira:

Cultura circense no Ensino Básico: arte e sensibilização nas aulas de Educação Física

Lívia Bentes é uma apaixonada por cultura circense. Jornalista e professora de Educação Física, ela ingressou na Escola de Aplicação da UFPA como docente em 2016. No mesmo ano, ela implementa o projeto de extensão “Respeitável Circo: a linguagem corporal circense na Escola Básica”.

Foto: Arquivo pessoal

Já imaginou chegar numa aula de Educação Física e, ao invés de jogar uma partida de futebol ou vôlei, experimentar técnicas de circo? Mas não se trata apenas de ensinar/aprender a técnica em si: o Respeitável Circo estimula os participantes a conhecerem a si mesmos, seus corpos, suas limitações e aprender nas conquistas diárias. Trata-se de “Um circo mais democrático em seus modos de ser e fazer, caminhando para além da técnica e da espetacularização do corpo, mas trabalhando com um corpo possível, errante, pelo qual o espetáculo está muito mais nas conquistas diárias de cada praticante, do que em um número em si”, explica Lívia Bentes. 

Foto: Arquivo pessoal

Para a professora, as piruetas, os saltos, os giros, as reversões são maneiras de fugir dos exercícios corporais tradicionais, que estimulam a sensibilidade e ajudam na formação humana das crianças. “O cuidado com seu corpo e com o corpo do outro, a proteção, o olhar atento e sensível para si e para o mundo são elementos que fogem de nossas rotinas e são capazes de nos colocar em um lugar outro dentro de nossas próprias emoções”, explica.

“As conquistas diárias de nossas crianças são nossos maiores e melhores frutos”

Segundo Lívia, não são apenas as crianças que ganham com o projeto, embora elas sejam as protagonistas: “Nossas criações artísticas são o resultado de um trabalho coletivo solidário. Incentivamos a participação das famílias em todos os processos: nas aulas, nos passeios, nas produções de cada apresentação que fazemos”.

Foto: Arquivo pessoal

Mas esses frutos vão além do envolvimento da família nas atividades do projeto. Eles extrapolam os limites das técnicas circenses e alcançam a formação para a vida. Lívia conta que entre as histórias especiais que surgem a partir do projeto está a de uma criança que sofreu uma grande perda familiar: a partida precoce do pai e a descoberta do câncer da mãe. “A família da criança buscou uma rede de apoio psicológico em várias atividades, além da terapia, mas foi no projeto que essa criança encontrou uma identificação maior que ajudou a fortalecê-la emocionalmente. Uma de nossas apresentações aconteceu na mesma semana em que a mãe da criança passaria por uma cirurgia delicada, e o fato de estar envolvida com todo o processo criativo, com os ensaios e vivências ajudou muito a criança a passar por esse momento”, relembra Lívia.  

Por que vale à pena

Para a professora, projetos como esse são importantes para garantir os direitos fundamentais de toda criança, como educação, cultura e lazer. “Em um país que tem suas instituições educacionais públicas e gratuitas sucateadas em sua maioria, hoje atacadas em sua sobrevivência, espaços como este produzem formas ativas e reativas de luta também. São potenciais espaços formadores de identidades solidárias, democráticas, críticas. Enfim, são espaços carregados de potência humana transformadora e em plena transformação”, afirmou.  

Foto: Arquivo pessoal

 

Confira as outras matérias especiais para a semana do professor:

Professor dedica vida a levar conhecimento para comunidades tradicionais

Professor implementa modelo de ensino/aprendizado colaborativo no interior do Pará

Professora promove protagonismo juvenil na periferia de Belém

2 comentários em “Professores fazem a diferença na vida de crianças e jovens através da educação”

  1. Pingback: Professora promove protagonismo juvenil na periferia de Belém – Rádio Margarida

  2. Myrle do Socorro Monteiro Santa Brigida

    Bravooooooooooo
    Uauuuuuu
    Que lindo… ver o circo nas aulas de educação física…. o circo que fez parte da minha infância

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *