Movimento “18 razões” promove o debate sobre a redução da maioridade penal


Surgido no início de março, o “Movimento 18 razões para a não redução da maioridade penal” vem fazer um contraponto aos posicionamentos que almejam endurecer o tratamento dado aos jovens com menos de 18 anos que infringem alguma lei. Desde então, a iniciativa foi aglutinando diversas entidades, e chegou a receber o apoio de órgãos públicos e representações de outros países.

Agora, o movimento se organiza para abrir uma frente de diálogo com parlamentares, governos e instituições públicas e, assim, influenciar na tomada de decisões. O 18 razões pretende ser uma articulação permanente, “enquanto essa questão não se resolver, a gente vai continuar atuando”, explica a coordenadora executiva da Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (FLACSO), uma das organizações que integram o movimento, Salete Valesan Camba.

Ao avaliar como o tema aparece na sociedade, a coordenadora aponta o “desconhecimento” como um entrave a uma discussão mais qualificada. Salete avalia que “o debate está muito focado no erro do adolescente, na questão da idade, como se simplesmente reduzir a maioridade penal fosse resolver”. Ela ainda complementa: “colocar o jovem no presídio não resolve a questão da violência. Inclusive há chances de piora, justamente por sabermos a situação destes espaços hoje”.

Salete Camba defende a necessidade de colocar todo o sistema de proteção já existente para funcionar, com a estrutura adequada. “Não dá para culpar somente o adolescente quando o lado que é responsável pela medida socioeducativa não faz sua parte”, pondera a coordenadora.

O 18 razões já fez atos de rua e ações virtuais. Entre elas, uma campanha no Facebook para que os internautas enviassem fotos se posicionando contra a diminuição da idade penal. A página do movimento no Facebook virou uma referência no assunto, aglutinando material sobre o tema e promovendo o ativismo.

Para conhecer o movimento, clique aqui e acesse a página do 18 razões no Facebook.

(Fonte: Portal Promenino)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *