Publicado em

A boa e velha infância

Tenho a impressão de que a infância de hoje em dia já não é vivida com tanta intensidade como um dia foi. Antigamente era normal você passar por algumas ruas da Capital e encontrar crianças correndo de um lado para o outro, brincando de bola, queimada, taco e outras coisas

Chegar em casa toda suja, suada, com joelho ralado e morrendo de fome era um hábito sadio e costumeiro. Contudo, atualmente este cenário parece não ser mais o mesmo. Com a globalização e a evolução tecnológica, as brincadeiras tradicionais, que faziam a alegria da criançada durante o período em que eu era criança vêm perdendo espaço para os aparelhos tecnológicos, oferecidos por esse avanço.

Por conta da tecnologia, elas têm deixado o contado físico de lado, pois acabam fazendo amigos pelo computador, por meio das redes sociais e salas de bate papo. Com toda essa mudança, o social e o lúdico acabam se confundindo na contemporaneidade, pelo fato delas já nascerem e crescerem imersas num mundo midiático, rodeado por novas tecnologias. Desta forma, acabam por confundir brinquedos e brincadeiras com meio de comunicação.

São muitas as mudanças que eu noto da minha infância para a infância de agora. É claro que o contexto social da época em que se vive é fator influente para o modo de viver. Contudo, as comparações são inevitáveis.

No início dos anos 2000, quando eu fazia o ensino fundamental, os professores pediam para os alunos fazerem trabalhos sobre diversos assuntos, e era feito pesquisando na famosa enciclopédia ou em outros livros diversos. Atualmente, no entanto, isso já não é comum. Alias, acredito que muitas das crianças da modernidade nem sabem o que é uma enciclopédia, já que o instrumento mais usado, tanto pelas crianças quanto pelos adultos, para fazer pesquisas e se informar é a internet.

Além disso, dentro da escola eram raras as crianças que levavam aparelhos tecnológicos, como por exemplo, celulares, que é o mais comum. Contudo, hoje em dia é incomum encontrar alguém que não tenha um. Até mesmo as escolas, para não ficar de fora deste novo contexto social, trabalham com a tecnologia em seu método de ensino. Muitas escolas da Capital já possuem lousa digital e, pelo menos, uma sala de informática que fica disponível para os alunos fazerem pesquisas e navegar na rede.

A infância é um período da vida único, onde se permite apreender, divertir-se e errar, e que deve ser muito bem aproveitado, pois não tem como ser criança duas vezes. Então, acredito que toda criança deve saber o que é brincar de verdade.

Texto de opinião publicado no Diário de Cuiabá  por Kamila Arruda.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *