Esporte infantojuvenil de alto rendimento e os grandes eventos


Nos próximos anos, o Brasil será palco de ao menos dois grandes eventos esportivos internacionais: a Copa do Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016. Preparativos a parte, tais eventos ajudam a trazer luz sobre uma situação a que muitos acabam não dando a devida atenção: o trabalho infantojuvenil no esporte.

A legislação brasileira regulamenta as relações no futebol, esporte que é paixão nacional. A Lei Pelé estabelece a idade mínima de 16 anos para a contratação de atletas, mas admite o vínculo de jogadores mirins com os clubes a partir dos 14, sob determinadas condições que buscam garantir a educação, saúde e convivência familiar desses adolescentes. No entanto, a realidade costuma passar longe dessas garantias.

A atenção que a atividade esportiva tende a receber nos próximos anos é uma grande oportunidade não só de debater a presença de crianças e adolescentes no esporte, como também de discutir quais os limites para o alto rendimento desses atletas em formação. Nesse sentido, a Rede Prómenino entrevista especialistas e ouve suas considerações sobre a situação dos atletas mirins no país, principalmente no futebol.

Fonte: Pró-Menino

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *