Boletim da Sesma aponta familiares e amigos como maiores responsáveis em casos de agressão

O jornal Diário do Pará desta quinta-feira (8) divulgou os dados do Boletim Epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde (Sesma) referente à violência doméstica e sexual e outras violências entre os anos de 2009 e 2012, resultados apresentados no seminário “Violência, uma epidemia silenciosa”. Em 2011 foram notificados 1.620 casos. Até agosto deste ano, foram efetuados 1.065 registros. Crianças e adolescentes, entre 10 e 19 anos, são a faixa etária mais vulnerável, com 3.954 casos notificados.

Levado em consideração o total de ocorrências, entre 2009 e 2012, sem tipificação da violência, a maior parte dos agressores são amigos e conhecidos das vítimas. Eles são responsáveis por 1.685 das 4.521 notificações, o que representa 37,3%. “A notificação traça o perfil epidemiológico. Mas se fizermos um cruzamento de faixa etária e de casos, os autores das agressões mudam. Se falarmos de mulheres, vai estar ligado ao parceiro ou ex- parceiro; no caso de crianças, a amigos e conhecidos e com os idosos, os filhos”, explica Maisa Moreira Gomes, diretora do Núcleo de Preservação da Saúde da Sesma.

De acordo com a diretora, a notificação proporciona a análise do caso e o acompanhamento. Desde 2011, o Ministério da Saúde incluiu os casos de violência domésticas, sexual e/ou outras violências na lista de agravos de notificação obrigatória. “Anterior a 2011, a notificação só era feita em locais sentinela e agora, em qualquer local da saúde”, afirma. “A ficha vem para formalizar ao profissional da saúde que ele precisa conhecer o que acontece com a pessoa vítima de violência e encaminhá-la ao local mais adequado”, completa.

Os dados da ficha de notificação, que incluem informações sobre o paciente, como nome, profissão, endereço, hora e local da ocorrência, o tipo de violência, o procedimento realizado e o local de encaminhamento, não são repassados às delegacias. “É um dado exclusivo da saúde e o profissional que preencher a ficha nem precisa se identificar, basta apresentar o local de registro da notificação e não tem que servir de testemunha ou ir a delegacia, apenas encaminhar o paciente”, esclarece Gomes.

O seminário foi acompanhado por aproximadamente 120 pessoas ligadas à área da saúde. “São multiplicadores que devem repassar as informações de como preencher as fichas de notificação aos demais profissionais da saúde e expandir o conhecimento”, acredita a diretora. “A notificação de violência é fácil, até mais simples do que a notificação de algumas doenças”, diz a técnica de enfermagem Zilda Melo Pereira, 39, que participou do seminário.

Entre os registros de violência sexual, o estupro é o mais comum, com 765 casos até agosto de 2012 e 1.155 no ano passado; seguido do assédio sexual, com 208 e 147 notificações entre os oito primeiros meses de 2012 e o ano de 2011, respectivamente. A casa das vítimas é o local de maior ocorrência da violência, seguido da via pública. Em 2009 foram 650 notificações; em 2010, 1.140; em 2011 foram notificados 1.620 casos. Até agosto deste ano, foram efetuados 1.065 registros.

Fonte: Diário do Pará

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *