Publicado em

Dupla jornada provoca alterações na saúde de adolescentes aprendizes

A dupla jornada de adolescentes aprendizes – entre escola e trabalho – pode provocar alterações na saúde e na vida desse jovens. É o que mostra a dissertação de mestrado Percepção de Jovens Aprendizes e Estagiários sobre Condições de Trabalho, Escola e Saúde após Ingresso no Trabalho, elaborado pela pesquisadora e psicóloga Andréa Aparecida da Luz, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

Segundo o estudo, os adolescentes que dividem seu tempo entre a escola, a formação para a vida profissional e o trabalho aprendiz ou estágio podem apresentar queda no desempenho escolar, perda ou ganho excessivo de peso, sonolência e diminuição da capacidade de manter a atenção.

Para o estudo, Andréa fez uma pesquisa que envolveu 40 jovens, entre 14 e 20 anos de idade, sendo 20 aprendizes e 20 estagiários. Todos participavam de um curso de preparação para o mercado de trabalho em uma organização não governamental (ONG) localizada na zona sul de São Paulo, dedicada a preparar jovens para o primeiro emprego. A ONG também é responsável por encaminhar esses adolescentes, seja como aprendizes ou como estagiários, para empresas parceiras. Esses jovens trabalhavam durante o dia, estudavam no período noturno e frequentavam os programas de aprendizagem e de estágio na ONG.

Em entrevista à Agência Brasil, Andréa contou ter observado, durante o estudo, que os jovens passavam mais tempo no trabalho do que na escola. “A dedicação do tempo diário deles é muito maior para trabalhar, para a atividade laboral, do que para a formação e para o ensino.” A jornada desses jovens chegava a 40 horas semanais entre trabalho e acompanhamento da ONG, somada a 25 horas semanais de estudos.

“A carga horária do aprendiz, prevista na legislação, é seis horas [por dia]. São seis horas na empresa, mas há que se considerar que ele precisa se deslocar até uma instituição qualificadora, que atenda ao programa de aprendizagem, e ficar lá por cerca de duas horas por dia. Isso dá uma jornada, de segunda a sexta-feira, de 40 horas, somada a quatro horas e meia de estudo no período noturno, o que dá uma jornada de mais de 60 horas [semanais], o que é pesado para esses jovens”, disse a pesquisadora.

Outro problema é que os adolescentes, segundo ela, acabam “abrindo mão” de atividades de lazer e do convívio com parentes e amigos. Esses jovens também relataram ter consumido mais café, refrigerante e doces para ficarem mais tempo acordados ou menos sonolentos. Também foram mencionados problemas relacionados a dores musculares, problemas gastrointestinais e estresse.

Para compensar notas e frequências na escola, geralmente esses adolescentes entram em acordo com professores, e se comprometem a fazer trabalhos escolares. “Mas o aprendizado, aprender as coisas, discuti-las e refletir sobre elas, coisas importantes que eles precisam no ensino médio para futuramente tentar um vestibular ou uma faculdade, isso ficou comprometido”, ressaltou.

Em geral, esses jovens precisam do trabalho para complementar a renda familiar. “Em alguns momentos, a escolha chega a ser perversa. Ele é um jovem que precisa trabalhar. Cerca de 65% da população que eu estudei contribuíam com mais de 50% de seu salário [de aproximadamente R$ 465 na época em que foi feito o estudo] em casa. Em caso de mãe e pai desempregados, eles [jovens] contribuíam com 100% de seus salários..”

Um dos resultados desse estudo foi ter provocado mudanças na organização da ONG, que resolveu alterar o horário do curso preparatório para favorecer os jovens que moram longe e precisam acordar muito cedo. A ONG também resolveu incluir temas sobre saúde e segurança no trabalho no curso. “Não consegui uma mudança específica nas empresas. Mas fiquei contente com a mudança que conseguimos na instituição, que fez uma alteração na grade curricular tanto para os jovens que estão se preparando quanto para os que já ingressaram no mercado de trabalho”, disse Andréa.

Para a pesquisadora, o estudo demonstrou que é preciso fazer também outras mudanças. Segundo relato dos jovens, por exemplo, a maioria das empresas não promove treinamento com seus estagiários ou aprendizes, o que chegou a contribuir para que muitos deles se acidentassem no ambiente de trabalho ao usar guilhotinas ou manusear papéis e equipamentos.

“Acredito que algumas mudanças nessa política de trabalho de jovens merecem atenção. [É preciso haver] algumas rupturas como a de achar que basta o jovem ingressar no mercado de trabalho que estará tudo resolvido. O trabalho tem uma função importante na vida dele e ele [jovem] se reconhece nesse trabalho. Mas deveria ser pensada uma carga horária que não prejudicasse a escola. O aprendizado deveria ser valorizado em primeiro lugar nesses programas e não a exploração da mão de obra desses jovens. A legislação deveria olhar mais para isso.”

O estudo foi feito entre os anos de 2008 e 2010. Parte dele foi apresentada no 30º Congresso Internacional sobre Saúde Ocupacional, ocorrido em março deste ano em Cancún, no México. Concorrendo com mais de 60 estudantes de vários países, Andréa teve seu estudo premiado com o primeiro lugar.

Fonte: Agência Brasil

Um comentário sobre “Dupla jornada provoca alterações na saúde de adolescentes aprendizes

  1. […] Entre outros, o programa exibiu uma audiência na Vara da Infância e Juventude de Fernandópolis (SP), em que um juiz concedeu autorização judicial para que um adolescente de 14 anos passe a desempenhar atividades laborais. Prática esta que, além de ir contra a legislação nacional, que proíbe qualquer trabalho antes dos 16 anos, salvo na condição de aprendiz, vai contra recomendações do próprio CNJ (Conselho Nacional de Justiça). Estudos comprovam que o trabalho com menos de 16 anos prejudica não apenas a formação do indivíduo, mas também sua socialização e, principalmente, sua saúde (veja mais em Dupla jornada provoca alterações na saúde de adolescentes aprendizes). […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *