Santa Casa comemora sucesso do Método Canguru

Uma festa de confraternização reuniu nesta quarta-feira (14) pais e filhos acompanhados pela terceira etapa do Método Canguru, da Santa Casa de Misericórdia do Pará. O momento coroou os 18 meses de sucesso do programa, executado por uma equipe multiprofissional e destinado a crianças que nasceram prematuras ou com baixo peso.

Para Grenda Tabaranan, atendida pelo programa juntamente com a filha de 11 meses, que nasceu com baixo peso, agradeceu pelo trabalho do programa. “Só tenho a agradecer pelo trabalho da equipe na recuperação de crianças. O Método Canguru é um bom exemplo do que a Santa Casa tem feito pelas pessoas que precisam”, disse.

A presidente da Fundação Santa Casa, Eunice Begot, disse que o Método Canguru é uma atenção humanizada – surgida em Bogotá, na Colômbia – que a Santa Casa, como hospital Amigo da Criança, acolheu. O programa acontece em três etapas. A primeira acontece na recuperação do bebê prematuro nas unidades de Terapia Intensiva (UTI) e de Cuidados Intermediários (UCI).

A segunda etapa acontece na “Enfermaria Canguru”, onde os bebês são acomodados. Em seguida, vem a terceira fase, quando a criança recebe alta da enfermaria, mas precisa ainda ganhar peso, até alcançar cerca de três quilos. Para Eunice Begot, o sucesso da terceira etapa está nos números. “Mais de duas mil avaliações feitas em crianças este ano, e nos 18 meses de atendimento, nenhum óbito. Isso é uma conquista dos profissionais do hospital e dos pais destas crianças”, avaliou.

Segundo a médica Sandra Alves, uma das tutoras do Método Canguru, o sucesso desta terceira etapa vem mostrar o trabalho da equipe interdisciplinar composta por médicos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais e técnicos de enfermagem. “Quando a mãe e família da criança conseguem fazer tudo o que a equipe repassa, os resultados são excelentes, e uma prova é nenhuma morte desde a sua implantação, nestes 18 meses”, concluiu.

Durante o evento foi firmado um termo de compromisso entre a Fundação Santa Casa e a Loterpa com o objetivo de somar esforços na busca da atenção segura, de qualidade e ao mesmo tempo solidária e humanizada para a aplicação do Método Canguru. No ato, o presidente da Loterpa, Jorge Otávio Rezende, entregou a Eunice Begot um “kit canguru”, com material usado pela mãe para carregar seu filho, em contato pele-a-pele.

Jorge Rezende disse que este é o primeiro dos 300 kits que estão sendo confeccionados pela Fábrica Esperança. Fazendo uma alusão ao “Pacto pelo Pará”, preconizado pelo governador Simão Jatene, o presidente da Loterpa disse que celebrava com a Santa Casa um pacto pela vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *