Amazônia é formada por inúmeras culturas que se renovam

A Região Norte é a maior do Brasil. São sete estados, abrangendo 42% de todo o território nacional, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Todo esse espaço é habitado por mais de 15 milhões de pessoas de origens diversas: , nativos, negros, indígenas, imigrantes do sudeste, nordeste e sul, e de outros países.

Mesmo assim, por senso comum, acredita-se que exista algo que ligue todo esse emaranhado de culturas díspares formando uma tal “Cultura Amazônica”. Essa cultura, fortemente influenciada por diversos costumes internos ou externos, seria uma mistura de lendas, línguas, ritmos, comidas, danças, vivências, crenças e religiões que podem ser tradicionais ou recentes.

Mas, toda essa mistura de raças e costumes que conhecemos como identidade cultural, na verdade, precisa ser analisado de maneira muito mais ampla para ser compreendida.

Existe uma cultura amazônica?

Definir como uma cultura os aspectos culturais múltiplos de uma localidade pode ser problemático. “Como na Amazônia, a diversidade natural de lugares e de pessoas deve ser considerada, acredito que existam várias culturas. Assim, a cultura não pode ser perdida ou resgatada já que está em constante transformação” ressalta Janine Bargas, jornalista e pesquisadora.

“Em nenhuma região do Brasil ou do mundo será encontrada uma identidade local homogênea ou única. Se tomarmos por base populações de regiões de florestas e rios, que nós chamamos de ribeirinhos, mesmo lá, teremos autodenominações diferentes como, afro-descendentes, indígenas, caboclas, afro-indígenas, castanheiros, seringueiros. Ou seja, essas populações operam com múltiplas identidades”. Afirma o doutor em História Social, Agenor Sarraf.

Sarraf explica que essa multiplicidade de culturas amazônicas, é devido, justamente, a variedade de identidades amazônicas. De acordo com Sarraf, o que pode ligar essas diversas representações são os códigos culturais comuns a cada região. Esse códigos são determinados pelas práticas culturais, hábitos alimentares, formas de dormir, vocabulários, práticas religiosas. Acões que possuem certa sintonia entre si e que são marcas dessas culturas.

A mídia influencia a cultura?

Existe um mito de que as novas tecnologias midiáticas estariam matando as culturas tradicionais. Mas segundo Sarraf, as culturas tradicionais estão em constante processo de diálogo intercultural com essas mídias. E essa atuação externa não destrói os aspectos regionais da cultura, mas sim renovam antigos hábitos.

“Não vejo as mídias apenas chegando e destruindo, mas essas populações estão ativas no processo de leitura, recepção e recriação, na verdade são práticas e contatos culturais distintos que modificam o modo de ser e as identidades dessas culturas. Os meios de comunicação são ambivalentes porque eles contribuem para destruir, mas podem também contribuir para reconstruir. Nesse sentido é preciso políticas públicas que dêem conta dessa valorização” afirma.

Sarraf afirma que instituições como família, igreja e escola podem contribuir para a reafirmação das identidades tradicionais. “A reconstrução pode ser feita através da valorização das narrativas orais, de danças antigas, dos vocabulários, enfim mostrar a importâncias de tudo isso e utilizar a tecnologia para alfabetizar e projetar nesses saberes”.

1 pensamento sobre “Amazônia é formada por inúmeras culturas que se renovam”

  1. Lorena Esteves

    Muito boa a sua matéria, Dany! Acho até que podemos aproveitar essas informações para debater sobre a proposta de divisão do estado. Que achas? Bjs

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *