Comissão aprova interdição de locais em que haja exploração de crianças

A Comissão de Seguridade Social e Família aprovou na quarta-feira (14) proposta que prevê a interdição de estabelecimentos comerciais e instituições que facilitem ou promovam a exploração sexual comercial e o aliciamento de crianças e adolescentes.

A medida faz parte do Projeto de Lei 7269/10, do deputado Wellington Fagundes (PR-MT), segundo o qual esses estabelecimentos deverão ser lacrados e impedidos de funcionar quando houver comprovação de exploração sexual de crianças e adolescentes no local.

Pena perpétua
Cedendo às sugestões dos integrantes da comissão, o relator do projeto, deputado Pastor Marco Feliciano (PSC-SP), alterou o voto e retirou do texto aprovado o artigo que proibia os proprietários desses estabelecimentos de manter ou participar de sociedade em quaisquer outros estabelecimentos comerciais.

O item foi avaliado pelos deputados como a criação de uma pena perpétua, algo proibido pela Constituição. “Com a manutenção desse artigo, você pega esse cidadão e o marginaliza eternamente, porque ele vai abrir outra ‘espelunca’, outro estabelecimento ilegal, já que estamos colocando ele na ilegalidade para sempre”, avaliou o deputado Amauri Teixeira (PT-BA).

Consentimento
Já o deputado Mandetta (DEM-MS), alertou que a exploração de menores às vezes é realizada sem que o dono do estabelecimento tenha conhecimento do que se passa e que, nesses casos, ele seria punido pelo projeto original.

“Quando imagino uma boate em que haja a exploração sexual, está claro o objeto da proposta. Mas muitos espaços, como postos de combustível nas saídas das cidades, com estacionamentos amplos, acabam se tornando locais de exploração de prostituição sem que haja consentimento do proprietário”, analisou.

Pastor Feliciano concordou em retirar esse item do texto, mas enfatizou que o objetivo principal da proposta é ressalvar o direito da criança. “É claro que se pode dar uma segunda chance para o dono do estabelecimento”, consentiu.

Redundância
Autor de um voto em separado, o deputado Danilo Forte (PMDB-CE) avaliou que a interdição de estabelecimentos em que haja exploração sexual de crianças e adolescentes já está prevista no Código Penal e no Estatuto da Criança e do Adolescente, sendo desnecessária a criação de outra lei com mesmo conteúdo. Segundo ele, a proposta tem poucas chances de prosperar na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

“Acredito que já tenhamos um arcabouço jurídico com penalidades aos crimes aqui narrados no relatório”, apontou.
Para o relator, no entanto, não cabe à Comissão de Seguridade Social e Família avaliar a constitucionalidade da proposta, mas o mérito, razão pela qual votou pela aprovação do texto. “Os argumentos judiciários cabem à Comissão de Constituição e Justiça, aqui devemos analisar o mérito e resguardar o direito da criança”, argumentou.

Tramitação
A proposta já foi aprovada pela Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria e Comércio e agora será analisada em caráter conclusivo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Íntegra da proposta:
PL-7269/2010

Reportagem – Carol Siqueira
Edição – Juliano Pires

Fonte: Agência Câmara de Notícias

1 comentário em “Comissão aprova interdição de locais em que haja exploração de crianças”

  1. Andreza Mara Santos duarte

    Penso que seja necessário avaliar as resoluções, para que seja garantido o direito da criança e adolescente, mas também os direitos que envolvem o cidadão e, sobretudo, do sujeito. As realidades precisam ser bem avaliadas fundamentadas na veracidade do fato, no respeito às subjetividades,na não violação de direitos, e não, no foco de trâmites políticos. A política deve priorizar o resgate e resguardo da proteçao e dos direitos., diferente do que acontece, cotidianamente, em nossos municípios.

    Andreza

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *