Pedofilia, problema de saúde pública

A pedofilia não é um problema social recente, e nem tão pouco novidade para ninguém, os jornais locais e nacionais afirmam isso todos os dias. A pedofilia consiste na atração sexual de adultos para com crianças ou adolescentes. Mas, a pedofilia é crime ou doença?

Segundo o médico psiquiatra Dr. João Coutinho de Moura da Sociedade Psicanalítica do Rio de Janeiro, em entrevista cedida ao Observatório da Infância, a pedofilia é uma perversão do desenvolvimento da sexualidade e não é um caso isolado com homens, mulheres também aparecem nas estatísticas do doutor, que ao longo dos 40 anos atuando na prática psicanalítica e psiquiátrica já atendeu cerca de 50 casos. “São indivíduos que cedem aos desejos, às fantasias, por exemplo, de se manterem jovens. Ceder a esses impulsos é patológico. Esses indivíduos têm distúrbios de caráter. São sociopatas”, explica Coutinho.

Para o psiquiatra Dr. Christian Gauderer a patologia pode ser explicada pelo temor desse individuo de se relacionar sexualmente com uma pessoa adulta. ‘‘O pedófilo não concebe sequer a possibilidade de ser cobrado por sua performance sexual. Como a criança não oferece esse tipo de ameaça, ele a procura’’, conclui.

Para a sociedade civil, é difícil entender essa prática como doença. Em muitos casos o individuo que viola sexualmente os direitos do adolescente geralmente já foi abusado sexualmente quando criança é o que diz a Jornalista Eliane Brum no artigo “Pedófilo é gente?”, quando entrevistou uma mulher que abusava do filho de 14 anos, a, quando tinha 7 foi violentada pelo próprio pai. Esses casos são comuns o que nem sempre é levado em consideração. Isso prova o quanto vítimas e violadores precisam de acompanhamento psicológico e familiar.

2 pensamentos sobre “Pedofilia, problema de saúde pública”

  1. Isabel Gorla

    Assim, a Saúde Pública necessita investir muitos esforços na Política Nacional de Humanização, pois os desafios são grandes. tanto no coletivo como no individual,a começar de mim mesmo.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *