Especialista sugere medidas de prevenção ao bullying

Em reunião promovida pela Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes, especialistas e deputados defenderam medidas preventivas contra o bullying. O pediatra Aramis Lopes, autor do livro “Diga não ao bullying”, sugeriu que, de acordo com cada faixa etária dos alunos, sejam adotadas regras claras contra o bullying e ações solidárias de valorização da diversidade.

Lopes observou que a prática de intimidação ocorre em todas as escolas, públicas ou particulares, e citou estudos segundo os quais 60% das crianças presenciam ações de bullying nas escolas do Rio de Janeiro. Conforme ele ressaltou, a sociedade deve se conscientizar de que esse é um problema sério que pode deixar sequelas psicológicas na vida adulta da vítima.

O médico também defendeu o uso de medidas legais para obrigar as instituições públicas e privadas de ensino a adotarem, em seu planejamento, políticas de prevenção ao bullying.

“Isso deve ser um trabalho contínuo, permanente e capaz de mudar um comportamento social que já existe há muito tempo. O nosso grande desafio é mudar a partir de agora — é um trabalho longo, árduo, difícil, mas não é impossível, nem é caro. É viável para todo e qualquer governo, todo e qualquer município do Brasil”, argumentou.

Mobilização
A coordenadora da frente parlamentar, deputada Liliam Sá (PR-RJ), destacou que a audiência foi o início da mobilização da Câmara para propor medidas eficazes de combate ao problema. “Precisamos de uma ação efetiva nas escolas e principalmente em casa. Temos que fazer com que o governo federal comece uma grande campanha de prevenção”, afirmou.

Campanha
O presidente da Sociedade Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva, destacou que a depressão na idade adulta é um dos sintomas apresentados pelas vítimas de perseguições na infância, como o bullying. Ele defendeu a necessidade de valorização da escola e do professor e campanhas para tornar os adultos menos tolerantes com qualquer tipo de afronta, como forma eficiente de enfrentar o bullying.

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação, Roberto Leão, recomendou que as escolas se transformem em lugares de debate com a comunidade, e não em fortalezas com detectores de metais e outras medidas policiais.

Fonte: Agência Câmara

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *