O esporte para crianças com deficiência

Que o esporte é prática fundamental para o bom desenvolvimento de crianças e adolescentes já sabíamos. Mas que para crianças com deficiência essa prática se torna indispensável, talvez para uns seja novidade. As atividades físicas para crianças dividem-se em capacidade física que consiste nas atividades desenvolvidas até os três anos de idade e a capacidade competitiva melhor indicada para adolescentes a partir dos 16 anos.

Para a mestre em Motricidade Humana e professora de Educação Física da Universidade Estadual do Pará – UEPA Simone De La Rocque, essas divisões são essenciais para interação e inclusão social na infância e adolescência. “Às crianças em especial, por que desde a infância o processo de desenvolvimento vai ser acelerado, estimulado pra quem apresenta determinadas limitações, de ordem sensorial, física, motora ou cognitiva possa ser minimizada” explica Simone.

Em Belém há algumas escolas da rede municipal e estadual de ensino especializadas para esse público, na UEPA, por exemplo, existe o projeto Lafad, Laboratório de Atividades Físicas Adaptadas, vinculado ao curso de Educação Física localizado no campus III da instituição que atende crianças e adolescentes com deficiência física, autismo e paralisia cerebral. O Lafad proporciona as crianças o contato com diversas modalidades de esporte de forma lúdica e educativa o que ajuda na melhor relação interpessoal fora e dentro de casa, sem contar no melhor desenvolvimento psicomotor de cada um.

1 pensamento sobre “O esporte para crianças com deficiência”

  1. Pingback: Lazer é: direito social, resgate de cidadania e garantia constitucional

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *